domingo, 30 de março de 2014

O RN DO "ACORDÃO" : E O ELEITOR?

 E aconteceu o que a Esquerda potiguar mais temia: a união de (quase) todos os clãs do nosso pobre e bonito RN em torno de uma candidatura. A reedição mais ampla da “paz pública”, inaugurada em 1978 entre o coronel do Seridó, Dinarte Mariz e o persistente Aluizio Alves. O anúncio da pré-candidatura, um eufemismo chato, pois até os mortos sabem que as convenções dos partidos chamados “burgueses” são encontros que servem apenas para dar um ar legal ao que já foi decidido nas mesas dos seus chefes e para juntarem seus “apoiadores” e estes, em êxtase muitas vezes remunerado, exaltarem as figuras dos seus líderes, foi feito nessa sexta (28), mostrou a força dos clãs.
Henriques Alves, líder do PMDB, filho de Aluizio Alves, presidente da Câmara de Deputados, terceiro na hierarquia da república, e deputado federal desde 1970, construiu, de forma rápida e eficiente uma aliança eleitoral que daria inveja ao seu pai, tal a amplitude e força que a sustenta. Desde o decadente Geraldo Melo até a sempre fênix Wilma de Faria, Henrique recebeu apoios entusiásticos das famílias que formam o mosaico dos clãs potiguares.
E que as esquerdas não sejam hipócritas nas críticas ao “acordão”. Se o mesmo Henrique tivesse fechado o apoio a Fátima Bezerra hoje estaria sendo saudado nos blogs e nos discursos tanto de PT como de PCdoB, já que até fins do ano passado a expectativa era que o PMDB fechasse esse acordo e isolasse definitivamente o DEM, a noiva de 2010 que virou morto-vivo em 2014.
João Maia, dono do pomposo Partido da República (PR) [1], chegou ao evento no Praia Mar Hotel, trazendo a tiracolo o deputado estadual George Soares, líder do Vale do Açú, o vereador Adão Eridan e da sua consorte, Zenaide Maia, já ungida para sucedê-lo na Câmara de Deputados, no melhor estilo familiar. Atrás dele vários prefeitos faziam profissão de fé para saudar Henrique.
A dinâmica do pragmatismo político do RN é de dar nó em cientista política e criar uma atmosfera de descrença absoluta na arte da política. Em 2008 Fátima fora apoiada por Henrique, Garibaldi e Wilma contra Micarla, então apoiada por José Agripino. Posteriormente Wilma foi isolada e jogada aos leões, enquanto o PMDB aliava-se ao DEM para destruir, digo governar o RN. Wilma encontrou apoio em Carlos Eduardo (PDT) que lhe deu a condição de vice-prefeita e ambos derrotaram o PMDB, apoiado pelo DEM, nas eleições de 2012 para a prefeitura de Natal. Agora Carlos mantém sua aliança com Wilma e reaproxima-se da sua família, depois das trocas de farpas de 2012.
O “chapão” parece que será formado pelo PMDB, PSB, PR, PSDB, PDT, PSD, PROS, PPL, PPS e mais nove partidos. Só o PP, do deputado federal Betinho Rosado, ainda não entrou nesse trem devido ao apoio que dá ao melancólico e falido governo de Rosalba, que é do seu clã. Rogério Marinho, filho de uma antiga liderança local, Djalma Marinho, líder do PSDB local e que abandonara a tentativa de “reerguer” a indústria do RN no governo do DEM, também ungiu Henrique com seu apoio.
A reunião dos honrados que estão dispostos a salvar o RN deles mesmos, já que apoiaram o governo que destruiu o RN, também contou com a presença do presidente da Assembleia Legislativa, Ricardo Motta, dono do PROS, que falou em “mutirão para o desenvolvimento e resgate do Rio Grande do Norte”. Obviamente que seu filho, o vereador Rafael Motta deverá ser um cabo eleitoral de Henrique aqui em Natal. O ex-governador Vivaldo Costa, um coronel do Seridó, que se abriga no PROS, também anunciou seu apoio a Henrique.
O senador José Agripino, chefe do DEM, já tratou de escantear sua correligionária, talvez preparando o terreno para que Henrique o acolha e garanta a reeleição do seu filho, o deputado federal, Felipe Maia. Parece que o “projeto político” do DEM resume-se a isso e a tentar eleger alguém para a Assembleia Legislativa, qual seja reeleger Getúlio Rêgo.
 Quem restou? O vice-governador Robinson Faria, que já fora apoiador de Garibaldi quando era o presidente da Assembleia Legislativa e que formou chapa com Rosalba Ciarlini e posteriormente execrado, manteve, pelo menos até agora sua candidatura a governador e recebeu de braços abertos o PT, que foram “namorado” pelo PMDB, mas que viu seu projeto político naufragar com a recusa do PMDB em apoiar Fátima Bezerra ao senado. Já o PCdoB, que parecia esperar um milagre que novamente unisse entre Henrique e Fátima, agora se debruça sobre as suas prioridades, que certamente não está nos cargos majoritários e, por isso, apontasse para todas as possibilidades, numa estratégia que tenta mesclar a sobrevivência política e a preservação de sua tática mais geral, que é a de defender Dilma. Entre o chororô que já começou e o alvoroço que certamente virá, a Esquerda tenta buscar uma saída para o nó que foi dado nas suas pretensões.
Mas... e o povo, o grande ausente de todo esse processo? Acossado pela violência, espremido nos transportes (sic) coletivos de Natal, sobrevivendo à duras penas em meio à estiagem, cabisbaixo nas filas das unidades de saúde e hospitais, macambúzio diante da falência do ensino público, o “povo”, o eterno ausente, começará a ser “lapidado” para as grandes festanças que virão e certamente participarão, nos comícios, mas nunca decidirão.


[1] Fundado em 2006 pela fusão do Partido Liberal (PL), do vice-presidente José de Alencar, e do Partido de Reedificação da Ordem Nacional (PRONA), um partido fascista liderado pelo exótico Enéas.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Por Wellington Duarte. Tecnologia do Blogger.

Tema Original do WordPress. Adaptado por Lissiany Oliveira.