sábado, 23 de março de 2013

O NU ARTISTICO NA UFRN E A REPIMBOCA DA PARAFUSETA



Enquanto o mundo está atento ao que acontece na península coreana, com a ameaça de um confronto nuclea; ou vê a Síria ser tragada numa brutal guerra civil que já matou mais de 30 mil pessoas; ou uma Europa ofegante, sem saber como sair de uma espetacular crise, a mídia e as redes sociais locais voltaram seu foco para o “nú artístico” da UFRN.
O nu em foma de arte  na UFRN : o mundo vai acabar?
Pouco mais de seis estudantes de Antropologia fizeram uma apresentação ao lado do prédio do Centro de Ciências Humanas Letras e Artes (CCHA). Despidos e com “as vergonhas à mostra”, jovens dançaram alegremente, movidos por um esforçado grupo de colegas que tentavam tocar música, para mover os nús.
Espetáculo de liberdade, estranhamente feito por uns encapuzados, talvez por temerem represália da sociedade e da instituição. Mas, se era um ato de liberdade, o capuz não contradiz essa premissa? Com a palavra os nús. Mais interessante foi o fato de que as fotos foram “censuradas” pelos que postaram, numa ação contraditória entre o objetivo e a exposição do ato em si. Vá entender.
Em dezembro um jovem aluno do Curso de História também despiu-se das vestes para um “protesto lúdico” contra práticas professorais. E foi aquela folia. As redes sociais adoraram. E o "nu" daquela ocasião, sumiu.
Agora o nús sacudiram as mesmas redes. Posicionamentos irados contra e a favor pulularam nas redes, sem nenhum efeito prático é claro. Além de discussões estéreis e recheadas de preconceitos, de parte a parte, mostraram que certos fatos, sem importância, são alçados à esfera do estrelato, para em seguida desaparecerem. É o que acontecerá.
A sociedade, ocupada com coisas mais importantes, ou não dá a mínima atenção para esse “fato grandioso”; ou encara como algo “exótico”, sem nenhuma importância também; ou o trata de forma preconceituosa e discriminatória, que também não produz nenhum efeito prático.
Sem querer no mérito de uma discussão que nem acho que tenha algum mérito, as manifestações culturais e artísticas devem ser respeitadas, desde que esse grupos pelo menos avisem às pessoas do que se trata. E os que vivem numa “sociedade manietada pela consciência burguesa e reprimida no seu eu”, não são obrigados a gostar ou aceitar estas manifestações. Faz parte da natureza complexa de qualquer sociedade.
O que não se pode é aceitar que os que defendem tais atos caminhem de forma inversa e tentem impor a “sua” visão de sociedade aos “atrasados”. Quem aposta em atos polêmicos, deve estar preparado para travar um debate não no terreno que escolhe, mas no terreno que está posto.
Dessa forma as frescuras e os faniquitos dos moralistas e dos xiitas das artes podem ficar em segundo plano.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Por Wellington Duarte. Tecnologia do Blogger.

Tema Original do WordPress. Adaptado por Lissiany Oliveira.